quero acorrentar-te no quintal
coberta de melaço
soltar-te os cães
pra que te lambam e mordam

quero lavar-te depois
com a minha urina
morna e perfumada
pra te deitares comigo
na cama que fiz de lavado

quero açoitar-te o cu
com golpes rudes de cinto
mergulhar depois as mãos
em concha no teu rosto
banhado em lágrimas

sorver-te de um trago
pra que enfim repouses
aninhada, quente e protegida
dentro de mim

[by lobodasestepes]

PS: obrigada pelo poema

pormenorizado por T às 18:00